dez 16, 2011

Escritora | Categoria Gêneros, Poesias | seja o primeiro

AMOR

AMOR

A fronteira entre o amor e o ódio é tênue
Basta um olhar atravessado
Pra se invadir esse campo minado
A coroa já não é cara na aposta
E vice-versa.

Não existe nada pior quando o amor acaba
Entra-se em parafuso
Àquele que ainda arrasta uma asa
Já pro outro, não
Sai fora, não existe sofrimento.

Os corações não estão mais em sintonia
Sai-se do sério
A reciprocidade, nessa hora, é utopia
Não há quem se segure.

Vira-se a mesa
Muitas vezes, há pancadaria
Descomposturas
Também, muitas são as lágrimas
Não adianta chorar o leite derramado; já era!

" alt="468 ad" class="foursixeight" />

Deixe seu comentário