fev 16, 2013

Escritora | Categoria Crônicas | seja o primeiro

A Cidade sitiada

A Cidade sitiada

A cidade sitiada

Esses dias, caminhando à beira mar, deparei-me com um absurdo dos absurdos. A praia estava tomada por cadeiras e guarda-sóis; tantos que chegavam até bem dentro do mar. Daí, não me contive de tanta curiosidade, quis saber quem era o legítimo dono daquele pedaço de terra pública.

Pois bem, logo dei de cara com um senhor. Um senhorzinho simpático e tostado do sol. Com um sotaque de gringo. Percebi isso logo no primeiro contato. Como eu estava dizendo, dei-lhe bom dia e perguntei-lhe se havia comprado a praia. Falei: Sim, o senhor, deve ter comprado, porque com um absurdo desses; o senhor deve ter até a escritura de posse. Mais que depressa, ele me respondeu que sim; que possuía licença da prefeitura e que estava dentro dos conformes da lei. Perplexa, respondi-lhe que não poderia ser um absurdo daquele. Então, falei-lhe, bem na fuça dele, que não podia fazer aquilo que iria denunciá-lo. Ele tranquilão me jogou na cara: Pode fazer o que quiser, mas estou legalizado.

Fui embora. Continuei a minha caminhada, conjecturando comigo mesma; com certeza, devia haver alguém na prefeitura se fazendo de ‘bobo’ pra dar licença pra tomarem o que é de direito do povo. Deveria ter recebido uma gorda propina, pois só assim pra tal vexame.

É, mas do jeito que vai a carruagem, não sei onde vai parar! Creio que em pouco tempo, nossa cidade será sitiada pelos portugueses e espanhóis; também com uma crise braba na Europa e as facilidades existentes aqui na nossa terrinha, quem não quer?! Até eu queria! Nós, pessoenses, precisamos tomar tento porque esse povo é muito esperto; e nosso povo não pode entregar de bandeja o que há quinhentos anos fora tomado à duras penas. Fora muita matança! Nossos índios foram extintos na guerra contra esses mesmos que estão voltando com a bola cheia. Daqui há pouco, nós é que seremos expulsos do nosso próprio espaço. As autoridades precisam enrijecer as leis de imigração porque senão o bicho vai pegar! E nossos parcos empregos irão pras cuscuias! Uma porque, a maioria deles veem pra cá muito bem instrumentalizados. Com uma formação de primeiro mundo. Há poucos dias, minha filha me disse que tem um portuga trabalhando com eles e que é o bambam em 3D. Esse aí é exemplo de muitos que estão, no Brasil, usufruindo do nosso despreparo; de nossa pouca técnica; de nossa desprofissionalização.

Vejam bem, não é que sou xenofóbica. Não é nada disso! Mas, precisamos ver com carinho essa história de imigrantes que estão aportando em nossas terras. As autoridades tem que ficarem bem atentas ao problema. Não podemos entregar o pouco espaço que temos para esse povo que já levou até nossas almas outrora. Assim é muito bonito pra nossa cara! Eles já usufruíram de todas nossas riquezas; levaram de um tudo pra eles; ficaram milionários às nossas custas. E agora que estão pobres virem pra cá ‘cordeirinhos’ pra nos tirar o restante. Essa é muito boa!  Vão à merda! Fiquemos todos de olhos bem abertos com esses ‘nossos irmãos’! Se eles fizeram uma vez, poderão fazer novamente. E agora somos nós mesmos que teremos que enfrentar as feras. Não serão os nossos irmãos indígenas, porque não tem mais forças pra tal empreitada. No passado, foram eles que deram suas vidas. Hoje teremos que dar nossa pele.  Quero ver, então, com quantos paus se faz uma canoa?!

Acham que sou cricri? Que estou exagerando? Estou…! Mesmo porque se me fizer de melado, as formigas me comem viva. É outra…! Quem não gostar das minhas palavras que vá às favas, porque comigo é assim! Sou paraibana, mulher, mas não sou boba!

 

 

" alt="468 ad" class="foursixeight" />

Deixe seu comentário