fev 22, 2013

Escritora | Categoria Fábulas | seja o primeiro

A la Fontaine

A la Fontaine
o gato e o rato não ocupam mesmo espaço
ambos se atacam, há embate e embates
são dois bichinhos do babado
não reconhecem suas querelas
vivem um atrás do outro pra arregaçar
Que bobinhos são, coitados!
Se vão logo,logo pro mesmo buraco!
Gatinho e ratinho são sempre arredios
vão e vem numa boba afobação
estão sempre a esganar um ao outro
pra que essa danação?
talvez porque um é rato; e outro gato
duas coisinhas esquisitas
contaminando-se de estupidez.
Dia a dia é um ato
não repetem ao menos o refrão
são performáticos
plenos  de ódio e azaração
coisa pior acontece
quando traspassam a contramão
comem-se feito uns diabos.
Dizem serpentes e lagartos
gritam todo tipo de palavrão
é aquele barato!
puxam o rabo um do outro
catucam-se entre si
paulada come no centro
arrebentam-se.
Cão chupando manga é pouco
são virados num dindin
esfolam-se que o sangueiro dá na canela
já viram que doideira mais sem pé nem cabeça?
como pode umas coisinhas tão lindas
cassarem-se feito predadores?!
vai ver que isso é amor.
Aí sim, estão só correndo da sorte
felicidade, pra muitos, é ruim
muitos escondem-se dela feito o bicho ruim
num período de vinte e quatro horas
com o gato e o rato pode ser assim
Quem sabe?!
creio mesmo que a ta infelicidade dá mais sentido.
Vai compreendê-los…!
alegria de uns; tristeza de outros
amizade, sinceridade e convivência
nem sempre são bem quistas
ainda mais porque poucos são os escolhidos
muitos, relegados
isso é bíblico.
Não sabemos explicar os mistérios entre céus e terra
ninguém  voltou pra contar o frivrulim do outro lado
como  é que saberemos?
enquanto isso, o ratin e gatin se acabam na porrada
essa estória todo mundo já sabe
não precisa ser contada
porque é de todos  uma surrada fábula.
A  minha vó e tatara sabiam de có
meus  pais e irmãos deram  todo o recado
eu que aqui te falo, já estou até enjoado
de recontar esse fato desses dois tortos
que se quiserem levar isso a frente
façam-me o favor, que façam  bem feito
lavem o gogó  com aguardente.
Com aquele jeitinho brasileiro
de quem come pelas beiras
vá aparando as deixas
tudo só é bom quando flameja, mas não esnobem
que os bichinhos não merecem
o gato e o rato já estão satisfeitos
e nós todos estamos mais que divinizados.
Bichinhos queridinhos do peito
pois é, tudo não passa de mera sobrevivência
portanto deve ser propalado
fique aqui tudo registrado
pra posteridade, com respeito
gratidão e comiseração
essa é a praxe desses dois bois-tungão.
" alt="468 ad" class="foursixeight" />

Deixe seu comentário