abr 27, 2013

Escritora | Categoria Poesias | 1 comentario

Dizem que o amor é cego

Dizem que o amor é cego

quico

Pra quem ama, tudo lhe é bonito

Pode ser igual macaco

Fedorento que nem gambá

Mas, quando se ama é Paco

É perfume internacional

E não se dá mais pitaco.

 

Veja como é o amor materno

O filho é feio que nem sapo

Mas, aos olhos da mãe, é príncipe

Diz-nos até que são a Gestapo

Se o chamarem de caolho

Aí, sim, a mãe fará aquele barraco.

 

Há homem que arrasta uma asa por uma mulher

Dá-lhe rosas, joias; faz-lhe a corte

Porém, se a peste o rejeita

Vira bicho; dá até coice

Ainda diz que é amor…!

Ó, infeliz das costas ôca!

 

O amor é mesmo cego!

O feio parece-lhe bonito

Vira…mexe…dezarreda!

No capricho, até periga

Mas, a mulher feia desconjuro; arrenego

Não há quem a faça linda por seu pejo.

 

Chova ou faça sol

Ao amante, é igual

A mulher tem que ser fiel

Não lhe dê um par de chifre no frontal

Pois se o fizer, está lascada

Ele vira um troço descomunal.

 

Coisa feia é a dona coruja

Porém, pra sua mãezinha, ela é bela

Dos animais da floresta, é-lhe a princesa

Tem gosto pra tudo nesse mundo; quero vê-la…

Mãe quando é mãe pinta o sete; arregaça

Ninguém, por isso, há de constrangê-la.

 

O Bicho pega!

Se ao filho, dizem-no que é feio

Logo as mães viram a mesa

Dá cachorro em dezoito; arrepio

Êta, cilibrina!

Quem não quiser apanhar, saia de fininho!

 

" alt="468 ad" class="foursixeight" />
  1. Amor? Eso no es amor.
    me encanta tu trabajo amiga Lourdes.
    Felicidades por el don, por el talento que tienes.
    Abrazos
    H.

Deixe seu comentário