jan 15, 2013

Escritora | Categoria Gêneros, Resenhas | seja o primeiro

Resenha: O Mito do Narciso às avessas

Resenha: O Mito do Narciso às avessas

 

O Lado Escuro do Espelho/Contos

Escritora Maria José Limeira

UNIGRAF – União de Artes Gráficas Ltda.

João Pessoa- 1985

“Sou uma sombra, venho de outras eras

Do cosmopolitismo das moneras

Pólipo de recônditas reentrâncias

Larva do caos telúrico procedo

Da escuridão do cósmico segredo

Da substância de todas as substâncias!”

Augusto dos Anjos

A obra O Lado Escuro do Espelho, da autora Maria José Limeira, é constituída por onze contos bem estruturados e conectados por uma linha hilária do ser: a banda podre da maçã.

O mundo metafórico transborda um torpor profundo, no qual o narrador transfigura o amargor de experiências vividas na pele de um ser multifacetado por diversos ‘eus’ fúnebres, que desagua em inúmeros ‘tus’ horripilantes.

A escritora retrata o lado oculto das entranhas do ser humano. Sem parcimônia, rasga o véu fétido, desvendando o obscuro das fraquezas, egoísmos, histerias, vilanias humanas.

Ao contrário do mito de Narciso, poder-se-ia considerar sua outra face: o Anti-narciso. Já que é enfatizado o lado torpe do ser; observado, nos vários recônditos dessa escritura, a sordidez inexplicável das personagens.

Em várias passagens poder-se-á verificar: “Eu venho aqui, senhores, depositar a minha vida. Neste cartório geral de registro de títulos e valores, deixo em legado que pesa com a sombra de um vampiro em noite de lua cheia.” P. 11

“Trago o peito despedaçado e o riso amargo.(…) Quatro paredes lavradas no sangue do entardecer me devoram.” P.13

“…eu sou o criminoso sem lei, a casa vazia invadida pelas cheias, a terra devastada  pela seca, o lixo que se acumula nas consciências, a falta de consciência, a cadeia e a liberdade, o animal perigoso enjaulado…o tiro inexplicável  soando na madrugada, o transeunte desocupado, a mulher  desejada, o sonho esmagado,  a santa mãe  sacrificada, o poço dos anseios frustrados,  caos, a desordem generalizada, o grito que ressoa dentro da noite como alerta aos desavisados, o astronauta solitário, o planeta Terra isolado, a miséria humana estampada, terror, bruxaria, desespero e desolação, eu sou. ” p. 20

“…O canto de dia vem me encontrar onde as formas se dilaceram como monstro indormidos.” p. 24

O espelho narrativo reflete a parte horrenda do indivíduo. Aquele vão que toda pessoa faz questão de esconder, e que, nessa escritura, a autora exaspera-se ao retirar de suas máscaras, expondo-as ao escárnio e ao apedrejamento.

Enfim, O Lado Escuro do Espelho, de Maria José Limeira, trabalha a grande metáfora humana; o espelho ilumina o mito do Anti-narciso. Porém, em grande estilo, a banda podre é exposta numa bandeja de ouro.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

" alt="468 ad" class="foursixeight" />

Deixe seu comentário