set 5, 2014

Escritora | Categoria Poesias | seja o primeiro

RESENHA: GOL (FOS) DE LETRAS

ORA:

PELÉ11

LIVRO: A FLOR DO GOL

AUTOR: SÉRGIO DE CASTRO PINTO

EDITORA: ESCRITURAS

SÃO PAULO/2014 – 95ps.

 

Se os insetos jogassem futebol, as centopeias dariam excelentes centro-avantes e as aranhas, ótimos goleiros.”  

Em noventa e cinco páginas, a obra somente traz 32 poemas. Desses, apenas 6 fazem jus ao que se propusera. É, porque o que atrai o leitor ao livro é a impressão de que o tema seja a Arte do futebol, ou algo do gênero. A leitura feita, fica aquela pergunta: Será que autor Sérgio de Castro Pinto chutou a bola pra outro estádio? Ou preferiu passar a bola pra outro jogador (autor)? Creio que o seu Gol atravessou a cidade; e foi bater do outro lado do país, lá na Floresta Amazônica, pois o que se encontra nos seus versos são campos e campos cheios de tamanduás-bandeiras e outros bichos.

Veja-se: exposto à capa

“(…) e a bola não é mais a bola,

a redonda, o balão, a esfera,

não é mais folha seca,

mas a semente, o goivo,

a flor do gol explodindo

em primavera.”

 

À p. 43, no poema Esta Lua

“(…) candeeiro de luz bruxuleante,

hóstia andante de uma irmã de caridade,

esta lua é o branco marfim de um elefantes

perfurado do céu o toldo estrelado,

mastodonte manso, pacificado,

urinando gotas de luar no gozo

dos amantes tristes e extenuados. ”

 

Ainda, à p. 56 in Intertextualidade

“é quando o tigre de blake

devora o rouxinol de keats

e põe-se a comer alpiste

e a rugir trinado

meio fera meio pássaro”

Então, eis a pergunta ao Poeta: Onde estão as Flores do Gol, Baudelaire paraibano? Didi, Vavá, Jairzinho, Leônidas, e Garrincha viraram estrumo do mal no Cemitério de automóveis; e os demais? “(…)mas quão céleres/ os passageiros/ se preciptam / no despenhadeiro//”  à p. 54. É, porque da temática arrolada no título do livro, ficara só gol (fadas) às ps. 25,26, 27,28, 29 e 30.

Onde, um tanto frustrada, falo: Queria mais! Que numa próxima Vavá, o Leão das Copas e os outros craques brasileiros sejam bem mais contemplados!

E, pra completar, deixo essa pérola que está à p. 26:

“o sol puxou/ os raios/ da cabeça/ descabelou-se/ amarelou/ perdeu a cor/ ante o brilho/ da fulva juba/ e da garra afiada/ do leão atilheiro/ que encadeou/ o arqueiro/ da Checoslováquia/ com fome/ de…goooooooollllllll!”

E, assim, findo o meu breve comentário sobre a obra A Flor do Gol, do autor Sérgio de Castro Pinto; dizendo que todo bom brasileiro ama futebol, e eu não fujo à regra. Desde de tenra idade era o meu hobbe preferido ir, com meu pai S. José de Castro e meus irmãos, ao Estádio Almeidão nas tardes de domingo.

" alt="468 ad" class="foursixeight" />

Deixe seu comentário